Buscar
  • blanco

Sábado de Postinho



O Postinho é uma pequena parte da praia logo no início da Barra da Tijuca. Não me perguntem o porque do nome, mas é muito conhecido entre os surfistas cariocas por suas ondas tubulares. Enquanto a Barra em quase toda a sua extensão apresenta valas com paredes mais cheias, o Postinho se destaca pelo posicionamento e sempre tem condições bem diferentes do resto dos picos. Ali também tem uma laje que, mesmo quando não quebra, dá um formato mais triangular às ondas. Não a toa que por um tempo a etapa do mundial foi praticamente em frente a essa laje. E se o tubo que ninguém esquece ( Kelly Slater em 1997 ) foi no meio da Barra, no Postinho foram pegos diversos tubos nesses anos em que o mundial passou por lá, alguns até melhores que o do Kelly, acredito eu.


Mas o mundial foi para Saquarema e o Postinho ficou no anonimato, ou mais ou menos isso. Sempre que chega uma ondulação de médio tamanho ou mesmo grande, o pico apresenta condições e, além dos locais, uma galera vai até lá em busca dos tubos.



Nesse último sábado, uma ondulação chegou na cidade. A mistura de duas diferentes direções com tamanhos bem parecidos formou ondas em picos que abriam sobre qualquer fundo. Cheguei a checar outros lugares pela manhã, mas o Postinho foi onde pareceu melhor. Depois mais tarde soube que deu onda boa durante o dia em quase todas as praias do Rio de Janeiro.



O tempo não estava aberto logo cedo, mas uma fina camada de nuvens, bem típica das manhãs do outono carioca, dava um clima interessante nas fotos. Nos primeiros momentos, o contraste do céu, do mar e da espuma da onda estava muito bem nivelado. Conforme o sol foi subindo, a luz foi ficando mais cinza e difícil de fotografar, em alguns momentos o tempo abria e enchia as fotos de contraste.




As vezes, em uma sessão, você vê as melhores ondas quebrando onde não tem ninguém. Por um momento, isso estava acontecendo nesse dia. Comecei a ver umas esquerdas muito boas quebrando sozinhas no pico ao lado de onde todos estavam. Foi o tempo do Trekinho sair do mar, depois de ficar boiando em uma bela calmaria, já na intenção de olhar outro pico. Falei daquelas ondas e logo percebi, e ele também, que não apenas quebrava uma esquerda boa, como a direita estava ainda mais oca e aberta. Foram uns cinco tubos seguidos, secos.


Surfistas nessa galeria: Daniel Rangel, Bezinho Otero, Filippe Ferreira, Marcelo Trekinho.

Daniel Rangel

Mais uma do Dani.

Bezinho Otero pilotando sua prancha











0 visualização
  • Black Instagram Icon
0